domingo, 26 de janeiro de 2014

Frango com tomate seco e azeitonas

Às vezes estou na cozinha, muitas, diga-se em abono da verdade, e penso que, caso o meu caminho profissional tivesse sido outro, jamais seria alguém no mundo da cozinha. Tirando bolos e doçaria em que a quantidade de ingredientes não permite devaneios e exige, pelo contrário, um rigor absoluto, ou receitas sensíveis como soufflés ou arroz, confio muito no meu olfacto, palato e intuição. Se me perguntarem quantidades exactas de alguns ingredientes dificilmente as consigo dizer com precisão. Cheiro, provo, sinto, acrescento se for preciso. Se não provar vou pela experiência e pelo olfacto, e vou algumas vezes.
A receita de hoje é um desses casos. A quantidade de frango é fácil, dois peitos para três pessoas, dois peitos pequenos, as cebolas idem, uma média, mas se me perguntarem a quantidade dos outros ingredientes, do tomate seco ou das azeitonas, o azeite ou o manjericão direi que é ao gosto de cada um. Seria pois uma má professora. Diria para confiar na intuição, nos sentidos, olfacto e palato e deixar-se enlear também pelo aspecto do cozinhado. Alguns entender-me-ão, outros nem por isso. Na cozinha há também uma linguagem a aprender e a intuição a desenvolver. Se a primeira não for comum torna-se mais difícil. No caso da segunda, não sei como resolver.

Frango com tomate seco e azeitonas

Ingredientes
2 peitos de frango médios
1 cebola roxa média
1 lima
2 colheres de sopa de vinagre
Alho picado (3 dentes)
Pimenta preta
Tomate seco (a gosto)
Azeitonas (a gosto
Manjericão (a gosto)
Azeite
Picante timorense

Preparação
Cortar os peitos do frango em tiras e temperar com sal, pimenta preta, o alho picado e o sumo da lima. Deixar marinar uma hora.
Numa frigideira aquecer um fio de azeite e fritar o frango de um lado e de outro. Se a frigideira for pequena para a quantidade de frango deve fazer-se em duas vezes. Retirar da frigideira e reservar num recipiente quente. Na mesma frigideira onde o frango foi cozinhado, juntar a cebola em rodelas e deixar amolecer sem fritar ou frigir. Adicionar depois o frango, as azeitonas e o tomate seco cortado em pedaços e um pouco, talvez meia colher de sobremesa, de picante timorense. Cozinhar uns minutos até que os sabores se casem. Por fim, adicionar o vinagre. Deixar cozinhar até que se evapore o aroma intenso e juntar o manjericão picado, usei, como sempre, uma tesoura de ervas aromáticas. Aquecer bem e servir. 


17 comentários:

Loca disse...

Entendo-te perfeitamente, raramente consigo seguir uma receita.
Esta tua parece deliciosa.
:))

Susana Figueiredo disse...

Parece delicioso!!! Beijo!

Leonor disse...

Não me imagino a ter de explicar certas quantidades, Loca ;) mas acho que também advém da experiência.
Boa semana

Leonor disse...

Os sabores são fortes mas também depende da quantidade do tomate e das azeitonas. Hoje fiz com azeitonas galegas e ficou mais acentuado.
Beijinhos, Susana, e boa semana.

Mª João - Ponto de Rebuçado Receitas disse...

Adoro estas receitas construídas pela intuição e os sentidos! Ficou com um aspeto delicioso!
Beijinhos

Leonor disse...

Vi a receita num livro que comprei há muitos anos e em que nunca mais pequei. Para variar dei-lhe uma volta :)
Obrigada, beijinhos.

foodwithameaning disse...

Olá Leonor. Venho agradecer-te o comentário às minhas malassadas.
Que curioso! Onde já vão as nossas malassadas! No Hawaii! Será um síndrome de ilhas? Tão bonita esta partilha. Já estou com pena de não ter visto o programa. Obrigada amiga.

Sexta-feira passada fiz um prato de penne com os ingredientes principais da tua receita. A combinação é deveras deliciosa. A tua foto está divina.

Beijinhos aqui destes calhaus atlânticos de onde saem as malassadas.

Patrícia

Blog do Chocolate disse...

Amiga,

Estão para mim muito bem explicadas as quantidades que não explicas ! ;)
"A gosto" e "q.b." fazem sempre sentido para mim e lá vamos nós numa viagem em que a prova e o cheiro nos conduzem ao resultado final que poderá ser ou não um sucesso ! :) :)
Neste caso não tenho dúvidas, basta olhar para a foto e ver os ingredientes que usaste e dispenso saber quantidades !
Ficou perfeito, eu diria, as cores dizem tudo e já estou de narizito empinado para o écran, quase que sinto esse aroma...

Beijinhos ;)

Marisa Valadas disse...

Que bom aspecto, uma delicia

Leonor disse...

De nada, Patrícia,achei tanta piada à coincidência. Eu a achar que sabia tudo e a pensar 'mas onde é que eles andaram em Portugal?' A ignorante era eu.
Com penne deve ficar mesmo muito bom, até sem o frango.
Obrigada pelo elogio da foto. Foi tirada num dia em que havia sol e faz toda a diferença.
Beijinhos

Leonor disse...

Gosto dessa do narizinho empinado para o ecrã, Isabel, que máximo :)
Às vezes quando alguém me pergunta 'que quantidade pões?' eu digo 'um bocado' mas para quem queira aprender ou não tenha mão para a cozinha é muito vago.
A foto correu em por causa do sol, é uma drama cá em casa. Só fotografo em cima da hora.
Beijinhos e uma excelente semana

Leonor disse...

Obrigada, Marisa :)

Minutos com os tachos disse...

Adoro Tomate Seco! Gosto mesmo, mesmo!! :) Gostei muito da sugestão! ;)

Tertúlia da Susy disse...

Que delicioso aspeto!
Bjs, Susana
Nota: Ver os passatempos a decorrer no meu blog:
http://tertuliadasusy.blogspot.pt/2014/01/tronco-de-ano-novo-trunk-of-new-year.html
https://www.facebook.com/Tertuliadasusy

Comida de conforto disse...

Eu também tenho essa dificuldade. E tenho uma receita da minha mãe que diz : " água quase temperada de sal"
estás a ver, quase..., fica ali entre a pitada e a quantidade certa para aquele volume de água :)
Mas olha, mesmo com essa dificuldade está muito bem explicada, porque muitas das quantidades que indicamos, ou nos indicam, nas receitas sofrem o escrutínio do nosso gosto pessoal e são, por nós, adaptadas.
E o teu frango ficou com um aspecto fantástico e deve ser maravilhoso!
Beijinhos

Leonor disse...

Não consigo ver o passatempo, Susana :(

Leonor disse...

Um destes dias fui dar uma volta ao livro de receitas da minha avó e tem muitas receitas assim por metade. Um destes dias era um soufflé. Nada de tempo de forno ;)
Tens muita razão, é uma questão de gosto e de sensibilidade para a cozinha.
Beijinhos :)