domingo, 1 de setembro de 2013

Galette de Zwetschgen que afinal são abrunhos

Zwetschgen. Ainda sou do tempo em que não havia grandes superfícies, centros comerciais e se vivia ao ritmo das estações, bem marcadas então. Comia-se também o que a terra e o tempo dava, a fruta da época era ainda um conceito e não havia uvas fora do seu tempo ou fruta grande e lustrosa mas sem sabor. Nesse mesmo tempo, vivia-se também na ignorância de muito do que a globalização veio trazer depois, a profusão de diferentes frutos e legumes, exóticos ou apenas desconhecidos. Quem me ouvir falar pode julgar que vivia deslocada algures num lugar ermo e sem acesso ao mundo dito civilizado, mas não. Vivia onde sempre vivi: uns meros 30 quilómetros a noroeste de Lisboa. A vida era tão diferente que muitas vezes me pergunto como eu e tantos como eu sobreviveram à pasmaceira que era ser, por exemplo, adolescente nesse tempo. Havia pouco que fazer e pouco que fosse tão estimulante como alguns dos desafios actuais. Bem, mas ao que venho prende-se com a primeira palavra deste post: Zwetschgen. Quando vejo os frutos é a primeira palavra que me vem à cabeça. Essa mesma. Em alemão. E isto porque a primeira vez que me cruzei com um fruto daqueles, afinal tão comum, foi a primeira vez que pus pé fora deste país a sério e digo a sério porque Espanha já aqui ao lado não conta, faz parte da minha matriz, faz parte da nossa, a proverbial viagem a Espanha para comprar caramelos que na verdade servia para muito mais do que isso. Foi também nessa viagem à Alemanha bem no início dos anos oitenta que terei provado pela primeira vez mirtilos, cresciam desalmados no jardim da casa onde passei duas semanas, e eram preferencialmente comidos em panquecas. Zwetschgen são afinal abrunhos verdes. Maravilharam-me naquele tempo em pequenas fatias rectangulares vendidos nas padarias e pastelarias, com Streusel, também não sei traduzir, e eram a prova de um outro mundo que fui descobrindo lentamente ao longo da vida. Foi nos abrunhos que recaiu a minha escolha para uma deliciosa galette e só não lhe chamo galette de Zwetschgen porque há limites para o desvario das palavras. Vejam se gostam.


Galette de abrunhos verdes

Massa:
300 g de farinha de trigo
200 g de manteiga gelada
3 colheres de sopa de açúcar
1 colher de chá de sal
1/2 chávena de água bem fria

Recheio:
Abrunhos verdes
Framboesas
Açúcar amarelo
Raspa de lima
Pimenta da Jamaica acabada de moer
1 colher de chá de amido de milho

Preparação
Numa tigela larga, juntar a farinha, o açúcar e o sal. Cortar a manteiga bem fria em pedaços pequenos, juntar à farinha e com um amassador manual ir conjugando todos os ingredientes até se assemelhar a uma areia irregular com pedaços de tamanhos diferentes. Juntar a água em pequenas porções e amassar apenas o suficiente para ficar mais regular. Pode usar-se uma espátula mas não as mãos. Transferir para uma superfície enfarinhada, amassar levemente com as mãos e formar um disco. Levar ao frigorífico uma hora para descansar. 
Entretanto, preparar a fruta. Lavar e cortar os abrunhos em oitavos. Misturar o açúcar e a raspa de lima para libertar o aroma e adicionar a pimenta da Jamaica. Adicionar por fim o amido de milho. Juntar os abrunhos e as framboesas, envolver, e reservar.


Passado o tempo de descanso, pré-aquecer o forno a 180º. Retirar a massa do frigorífico e, em papel vegetal anti-aderente, tender uma circunferência grande. Pegar no papel vegetal com a massa e pousar sobre uma forma de tarte. Dispor os abrunhos e as framboesas. Dobrar a parte excedentária da massa sobre a fruta e transferir a galette com o papel vegetal para um tabuleiro de forno. Pincelar com água, polvilhar com açúcar mascavado e levar ao forno cerca de 30 minutos.



Notas:
  • A massa deve ser pouco manuseada, já que o manuseamento excessivo irá comprometer a textura e consistência.
  • Os procedimentos finais devem ser firmes e rápidos, sem grandes hesitações, o calor ambiente irá provocar amolecimento da massa e tornar impossível o manuseamento.
  • Optei por esta técnica de usar uma forma de tarte para moldar para ficar mais uniforme, mas pode ser feito marcando uma circunferência na massa onde se deve deitar a fruta e dobrar a massa sobejante para dentro.



Com esta galette inicio a minha participação no grupo Dia Um... na Cozinha! O desafio deste mês de Setembro era fazer uma galette de fruta. 


32 comentários:

Liliana (Addicted) disse...

Adorei a escolha dos frutos :) são frutos que eu adoro além de que ficou uma gallete linda!

beijinhos :)

Maria disse...

Texto adorável, como sempre. Gostei da pequena descrição das tuas explorações além fronteiras maternas. A galette está linda e gostei dos abrunhos ou zwetschgen (tenho dificuldade em escrever e não faço a mais pálida ideia como se pronuncia :(.
Beijinhos e uma boa semana.
Maria

Comida de conforto disse...

Imagino que seja deliciosa, se corresponder à beleza que tem! Está muito bonita!
Bjs

Leonor disse...

Obrigada, Liliana, estes foram comprados no supermercado, se tivesse ido à mercearia aqui da aldeia tinha apanhado uns mais saborosos :)

Beijinhos

Leonor disse...

Olá Maria :)
És uma querida, como sempre.
A pronúncia é fácil: o z lê-se tz e o w é igual a acentuas no we. Nada difícil.
Boa semana para ti também.
Beijinhos

Leonor disse...

Bem-vinda, comida de conforto :)
Estava óptima, obrigada, mesmo ao meu gosto. Adoro bolos e tartes com fruta.
Bj

argas disse...

Que combinação deliciosa! Para uma próxima!

Leonor disse...

:)
Também já tenho ideias para uma outra.
Obrigada pela visita

Isabel Patrício disse...

Uma tarte linda, a escolha das frutas é fantástica.
Adorei os sabores conjugados
Parabéns pela participação
Bjns
Isabel

Leonor disse...

Muito obrigada, Isabel :)
Beijinhos

Célio Cruz disse...

Olá Leonor! Excelente aspecto e óptima combinação de sabores. Adorei a tua escolha para este desafio. Ficou com um aspecto muito tentador.
Beijinho e boa semana. ;)

Paula Vieira disse...

Uma escolha bem deliciosa que deixou a Galette maravilhosa.

Bjs.

Paula

Um toque de canela disse...

Adoro estes abrunhos, deve, sem dúvida, ter ficado uma tarte maravilhosa!
Beijinhos

Leonor disse...

Olá meus amigos,

Muito obrigada pela visita e pelas vossas palavras :)

A massa leva muita manteiga e é um bocadinho caprichosa mas fica mesmo muito boa. Um conselho, se é que o posso dar, aquele objecto para a amassar é muito bom.

Beijinhos

Sofia disse...

Mas que bela tarte!!!
Tem um aspecto fenomenal e deve ser deliciosamente doce! Estou rendida!

Doces em Casa disse...

Não conhecia :) Fiquei encantada! Vou acompanhar!!
Adorei a simplicidade repleta de sabedoria!
Um beijinho e obrigada pela deliciosa participação,
Aida

Tertúlia da Susy disse...

Olá Leonor,
Sem dúvida que a tua galette tem um fruto bem original e ficou linda.
Kiss, Susana

Leonor disse...

Obrigada, Sofia! É deliciosa para quem gosta deste tipo de tartes, o único problema é a quantidade de gordura da massa.

Leonor disse...

Quanta gentileza, Doces em casa :)
Beijinho e obrigada

Leonor disse...

Obrigada, Susana :)
Beijinho

Brisa Maritima disse...

Hoje passo, leio e comento...
Hoje comento vestida de Mar, em vez de vestir o Chocolate, habitualmente a minha fatiota ! :)

Leonor, foi uma honra ter-te no nosso desfile de lindas e deliciosas Galettes !
A tua ficou fabulosa, com abrunhos (não me ocorreria confesso) e com as catitas framboesas a contrastar. Os tons são apelativos e os sabores advinham-se maravilhosos !

Só tenho a agradecer a tua participação e esperar que nos possas voltar a fazer companhia na próxima edição, no dia 01 de Outubro.

Um grande beijinho *

Isabel

Rosa Santos disse...

Olá Leonor!
Estava tudo maravilhoso,hei-de vir conhecer e ler o que este blog oferece. Posso dizer, que vou com o palato e a alma felizes.
Beijinho

Leonor disse...

Muito obrigada, Isabel, a honra foi minha e gostei muito de participar neste desafio. Já há algum tempo que queria experimentar uma galette e este foi o momento perfeito.
Beijinhos :)

Leonor disse...

Fico contente pelo palato e alma felizes, Rosa!
Obrigada pela visita :)
Beijinho

Belocas disse...

Uma Galhete que apetece mesmo provar.
Está divina.
Bjs

Leonor disse...

Muito obrigada :)
Bj

O Barriguinhas disse...

Mais um blog maravilhoso... O teu! a Adorei e já estou seguidora... Fantástica tarte. Beijokas. Lúcia

Catarina Sá disse...

Olá Leonor,

venho retribuir um pouco fora de horas a sua simpática visita ao meu espaço.
Conheço bem esta fruta, aqui na Suiça estamos no tempo dela e devo dizer que é ao natural que as saboreio melhor!
Na minha humilde opinião, adorei a sua gallete, ficou sem dúvida entre as minhas favoritas!
Já estou a segui-la e com certeza voltarei mais vezes.

beijinhos e até breve

Leonor disse...

Olá Lúcia :)
Muito obrigada pelas palavras e pela visita.

Beijinho

Leonor disse...

Olá Catarina,

Deve ser do clima porque na Alemanha também usam muito em bolos deliciosos e até há Schnaps também. Gosto muito do sabor e da textura e consistência, não tão mole como as ameixas.

Beijinhos e muito obrigada

As receitas do Selminho ;-) disse...

Que bonita galette ;)
http://asreceitasdoselminho.blogspot.pt/

Leonor disse...

Obrigada :)