sábado, 16 de março de 2013

Com as mãos, a pavlova


Se me perguntarem o que reparo com frequência nas pessoas, responderei as mãos. Gosto de mãos de dedos longos, gosto de mãos equilibradas com unhas quase rectas a rematar, nem demasiado longas nem demasiado curtas. Gosto de pessoas que sabem usar as mãos. Usá-las para pegar em objectos, usá-las para escrever, usá-las para abraçar, dar, receber, acarinhar. Embirro com quem usa as mãos como garras, a ganância estampada na forma de se apoderar do mundo, a falta de elegância, de calma, de prazer diminuto em cada coisa que se faz. Gosto muito das mãos. Gosto de mãos que alcançam, as mãos como pontes entre mim e os outros, entre mim e o outro, entre nós. Gosto de mãos que falam quando as palavras são inúteis. As que tocam levemente. E eu que sou de letras e falas, de rompantes sonoros, sou mulher de toques suaves, os toques que uso para consolar vidas amargas impostas por sistemas absurdos que nos violentam humilham, dizimam. São as mesmas mãos que uso para limpar uma lágrima atrevida, e as mesmas que afagam a bicharada de quatro patas, as mesmas que acariciam o manjericão ou a alfazema para passear no olfacto e assim pela leveza de momentos de inexplicável, único, efémero prazer, um tremor tão intenso que poderia ser um orgasmo mas demasiado sumário para que o seja, êxtases breves com que os deuses me presentearam. Estas mãos são as mesmas mãos que me levam cozinha adentro, as que amassam, envolvem, misturam e vestidas de delicadeza se dedicam à alquimia de transformar. É isso cozinhar. Alquimia. Prazer. Êxtase. Transformação. Com as mãos.

As mãos

Com mãos se faz a paz se faz a guerra.
Com mãos tudo se faz e se desfaz.
Com mãos se faz o poema – e são de terra.
Com mãos se faz a guerra – e são a paz.

Com mãos se rasga o mar. Com mãos se lavra.
Não são de pedras estas casas, mas
de mãos. E estão no fruto e na palavra
as mãos que são o canto e são as armas.

E cravam-se no tempo como farpas
as mãos que vês nas coisas transformadas.
Folhas que vão no vento: verdes harpas.

De mãos é cada flor, cada cidade.
Ninguém pode vencer estas espadas:
nas tuas mãos começa a liberdade.

Manuel Alegre


Mini pavlovas de chocolate com frutos vermelhos

Ingredientes:
4 claras de ovos
170 gramas de açúcar de confeiteiro
1 colher de chá de vinagre
1 colher de chá de amido de milho
25 gramas de chocolate em pó
50 gramas de chocolate em barra

Frutos vermelhos a gosto
Iogurte grego natural não açucarado

Preparação:
Pré-aquecer o forno a 150º. Bater as claras em castelo. Quando estiverem firmes, adicionar o açúcar em doses pequenas batendo entre cada adição. Continuar a bater e quando ficarem bem firmes, juntar o vinagre, o amido de milho e o chocolate em pó, com uma espátula,e, por fim, o chocolate em pedaços. Num tabuleiro, deitar colheradas do preparado de claras e levar ao forno uma hora. Findo o tempo, desligar o forno sem abrir. Introduzir uma colher na porta para ficar apenas com uma nesga aberta e deixar arrefecer completamente. 
Servir com iogurte grego e frutos vermelhos frescos. Delicioso. Com as mãos tudo se faz.


Receita inspirada aqui.

Aqui fica a minha participação na iniciativa 'Convidei para jantar' iniciada pelo blogue Anasbageri e nesta 10ª edição a cargo da doce e talentosa CNS do inexcedível Come chocolates, pequena, come chocolates. Um convidado que muito me agradou.

18 comentários:

CNS disse...

É nas mãos que tudo começa, nesse prolongamento mágico de nós.

A escolha do poema é excelente. Obrigada,Leonor por ter participado :)

LiBelinha disse...

Gostei muito do teu texto de introdução e sinto as mãos como tu. O poema é lindíssimo e a pavlova uma tentação. A escolha do iogurte é perfeita
Bjns
Isabel

Leonor disse...

Eu é que agradeço pelo seu encorajamento, Cristina. Adorei a escolha do 'convidado'

Beijinhos :)

Leonor disse...

Muito obrigada, Isabel :)
Optei pelo iogurte por ser menos gordo que as natas, embora não muito. Gosto da consistência e de ser levemente amargo.

Beijinhos

Filipa Lemos disse...

Adorável!!

foodwithameaning disse...

Gosto mais do Manuel Alegre poeta do que romancista por isso delirei com este seu poema repleto de ensinamentos.
Depois, babei com a pavlova. Um encanto. Também irei fazer uma para o aniversário do meu pai amanhã.
Uma excelente participação a tua.
Um abraço.

Leonor disse...

Obrigada, Filipa :)

Leonor disse...

Também gosto muito mais do romancista e adoro este poema. Tão simples e tão completo e tão actual: está nas nossas mãos.

Fiz as pavlovas pequenas porque cá em casa somos muito poucos e as doses individuais são melhores :)

Muito obrigada, foodwithameaning :)

Maria disse...

E que lindas coisas as tuas mãos criam!!!
Beijinhos e bom Domingo
Maria

Leonor disse...

Fico muito babada, Maria :) As tuas também e com tanto amor.

Muitos beijinhos

Ivone Mendes da Silva disse...

Que belo texto, Leonor. Ainda há dias falei da minha inabilidade manual lá na minha Ronda. Enfim, para a cozinha vai dando.
Esta Pavlova é uma beleza, há-de ser uma saborosíssima. Fiz uma em tempos e resultou. Não tão esplendorosa, mas boazita.

Leonor disse...

Obrigada, Ivone. Com as mãos tudo se faz, escreve-se também e aí és mestre, isto se essa tua 'inabilidade' não for coisa tua ;) A pavlova é muito fotogénica. Ainda hei-de fazer uma grande mas talvez lá para o meu aniversário.

Manuela Teixeira disse...

Olá Leonor,

Excelente participação; adorei o poema e essa pequena tentação de chocolate com umas frutinhas coloridas... Só umas mãozinhas de fada fazem coisas deliciosas assim.

Bjnhos e uma semana fabulosa.

http://saborescomtempo.blogspot.pt

Candy Love disse...

Mas que maravilha!! Que bem que me ia saber comer essa sobremesa agora :)

Leonor disse...

Obrigada, Manuela :) as mãos de quem gosta de cozinhar como nós fazem muitas coisas.

Beijinhos

Leonor disse...

Beijinhos, Candylove :)

Rosario Mota disse...

Maravilhoso poema pede uma excelente receita.
Ficou perfeita a pavlovva.
Bjs
http://come-bebe-sorri-e-ama.blogspot.pt

Leonor disse...

Obrigada :)
Beijinhos