quinta-feira, 28 de março de 2013

Biryani de camarão


A poesia e a literatura em geral são um problema. Agarram-se a nós e não largam. Estão a ver aquelas melodias, refrões de canções ou linhas soltas que ecoam sem fim nos ouvidos? Como tenho mau ouvido para a música e canto muito mas muito mal sofro dessa mesma maleita com o que vou apanhando dos livros. São linhas soltas que ficam, passagens ou apenas versos de poemas. Desde o post aqui em baixo e da senda do ‘meu’ poema ou de um dos meus poemas preferidos que tenho estes versos da Passagem das Horas de Álvaro de Campos, o eterno poeta da minha adolescência, a matraquear-me nos ouvidos: “Trago dentro do meu coração, /Como num cofre que se não pode fechar de cheio, / Todos os lugares onde estive, / Todos os portos a que cheguei, /Todas as paisagens que vi através de janelas ou vigias,/ Ou de tombadilhos, sonhando, / E tudo isso, que é tanto, é pouco para o que eu quero.” A evocação de sítios longínquos, sonhos perdidos no tempo, imagens e sabores oníricos. Se um dia for, será, mesmo que a Ásia não conste nos meus planos imediatos. Por enquanto fico-me por um biryani de camarões. ”Viajei por mais terras do que aquelas em que toquei... / Vi mais paisagens do que aquelas em que pus os olhos..” Viaja-se muito na cozinha.

Biryani de camarão

Ingredientes
500 g de camarão congelado
1 cebola
1 dente de alho picado
1 folha de louro
½ colher de chá de canela
½ colher de chá de gengibre
½ colher de chá de pimenta da Jamaica
1 colher de chá de açafrão
3 sementes de cardamomo
Raspa de uma lima
Pimenta preta acabada de moer
Sal
Caju a gosto
Coentros picados
Arroz basmati

Preparação
Descongelar e arranjar os camarões. Cozer o arroz basmati com muita água e um pouco de açafrão. Drenar muito bem depois de cozido e reservar. Picar a cebola e o alho e deixar murchar com um fio de azeite. Juntar a canela, o gengibre, a Pimenta da Jamaica, o açafrão, as sementes de cardamomo e a folha de louro. Misturar bem e adicionar de seguida o camarão com a raspa da lima. Temperar com uma pitada de sal e a pimenta preta. Deixar suar mas não cozinhar demasiado para que fiquem suculentos. Juntar os coentros picados e os cajus e envolver. Num recipiente refractário, pôr o arroz bem escorrido e os camarões em camadas. Com um garfo misturar levemente. Levar ao forno bem quente dez a quinze minutos e servir.


Receita adaptada desta.

A verdade é que a cara deste biryani não é muito diferente da do pilaf algures abaixo mas o aroma e o sabor marcam a diferença. Nada como experimentar os dois.

12 comentários:

Maria disse...

Não perde pela demora de se feita cá em casa. Gostei muito.
Beijinhos e boa Páscoa.
Maria

Leonor disse...

Boa Páscoa, minha querida Maria.
Vais ver que gostas :)
Beijinhos

CNS disse...

Se é indiano, gosto :) E tem razão Leonor, devia haver uma segunda edição ;)

Boa Páscoa.

São Ribeiro disse...

Excelente aspecto deu-me mesmo vontade de comer.
bjs

Leonor disse...

É bom :) E quem gostar pode carregar mais nas especiarias.
Devia, não devia, Cristina?
Beijinhos

Leonor disse...

Obrigada, São :)
Tem tudo de bom: não é caro, é fácil de confeccionar e delicioso.
Beijinhos

Marisa Valadas disse...

Adoro comida indiana e ficou com optimo aspecto.Boa Páscoa

Leonor disse...

Boa Páscoa também. Obrigada :)

Blog do Chocolate disse...

Leonor :)

Adoro pratos indianos, penso que já comi algo do género num qualquer restaurante mas em casa nunca me atrevi a fazer !

A receita é rica, cheia de ingredientes tão aromáticos, imagino o bom aroma que permaneceu por aí juntamente com o sabor decerto fantástico ! :)

Gostei muito ! :)


Beijinhos
Isabel

Ricardo Tiago disse...

bela proposta. beijinhos

Leonor disse...

Obrigada, Ricardo. Voltei a fazer para um almoço de família e ficou óptimo. É leve e aromático.

Susana Figueiredo disse...

Como se viaja, querida Leonor. Como tenho viajado hoje, contigo... hoje acordei meio acabada, não sei se a chocar alguma ou se a receber um aviso do meu corpo para parar. Pelo sim, pelo não, fiz-lhe a vontade. Tomei banho, voltei a vestir o pijama e passei o dia a ler, oscilando entre um livro e o teu blog. Não me sinto melhor, talvez amanhã sinta, mas esta decisão consciente de ter de abrandar não pode fazer mal a ninguém. Obrigado pela companhia neste dia difícil :)