domingo, 24 de fevereiro de 2013

Momento Masterchef numa torta de chocolate


A proliferação de programas e canais de culinária foi das piores e das melhores coisas que me podiam ter acontecido. Melhor porque enriqueceu substancialmente este meu gosto de misturar sabores, mostrou-me uma panóplia de chefs que desconhecia, contribuiu para corroborar algumas certezas sobre a cozinha e estimulou a variedade cá por casa. Não me tenho dado mal. Só vantagens. A parte menos boa é que as  experiências culinárias passaram a ser sujeitas a um veredicto certeiro depois da incursão em palatos alheios. Desconfio que o apuramento de olfacto e paladar que tanto me caracterizam terá passado por osmose para o meu consorte. Adquiriu os tiques todos, a linguagem adaptou-se ferozmente e ‘flavour’ passou a ser a palavra eleita. O momento Masterchef do dia é seguido de grande risada mas de vez em quando sou avisada de que teria sido ‘chopped’ ao que respondo que aqui a minha modesta cozinha não está a concorrer para nenhuma estrela Michelin e que Michelin cá em casa só mesmo uma protuberância que me envolve a cintura. A minha grande e enorme sorte é que, por via da minha profissão, estou habituada ao escrutínio implacável de trinta almas que mudam a cada noventa minutos. Se fosse rapariga fraca de nervos e comichosa nas opiniões alheias ter-me-ia já debulhado em amuos mas se fosse rapariga pródiga em amuos jamais este post veria a luz do dia. Esta receita que hoje publico passou coxa no crivo selectivo. A ganache. Dizem-me que ficaria melhor sem ela. Teimei. Não pode. Sem ganache fica sensaborão. Mas quem sabe se a tivesse substituído por doce de frutos vermelhos não ficasse pior. Há que ouvir a crítica. E seguir a intuição. Doce de frutos vermelhos na próxima. Serei ‘chopped’?

Torta de chocolate

Ingredientes
Para a torta:
250 g de farinha com fermento
2 ovos
2 dl de leite
6 colheres de sopa de açúcar
6 colheres de sopa de chocolate em pó
50 g de manteiga.

Para a ganache:
Meia tablete de chocolate culinário
2 colheres de sopa de açúcar
1 colher de sopa de manteiga
150 ml de natas

Confecção
Pré-aquecer o forno a 200º. Forrar um tabuleiro com papel vegetal anti-aderente.
Numa tigela misturar os ingredientes secos. Fazer uma cova no meio e deitar os líquidos. Com a batedeira em velocidade baixa, misturar todos os ingredientes até ficar uma massa homogénea. Não bater demasiado. Deitar no tabuleiro e levar ao forno cerca de doze minutos.
Enquanto a massa coze, partir o chocolate em pedaços pequenos e derreter com a manteiga e o açúcar. Juntar as natas e mexer até ficar um creme liso e brilhante.
Desenformar a torta sobre um pano ou rectângulo de papel vegetal polvilhado com açúcar. Barrar com uma parte da ganache e enrolar. Colocar na tarteira e regar com a restante ganache. Deixar arrefecer e nham nham.

Receita tirada de uma "Saberes e Sabores" do tempo em que eu ainda comprava revistas de culinária. Gosto muito desta torta. É pouco doce, meio húmida, fica ainda melhor no dia seguinte e é muito fácil de fazer. 

10 comentários:

LiBelinha disse...

Olá Leonor,
Estou como tu, não concorro a nenhuma estrela Michelin e cá em casa basta-me o escrutínio da família, mas quando a colocamos ao público ele sabemos que a opinião pode divergir.
Não há que ter medo, com uma torta deliciosa destas, qualquer escrutínio é pera doce :)
Talvez com o doce ficasse muito bem, mas de certeza que assim como a fizeste ficou super bem :)
Bjns
Isabel

Leonor disse...

É brincadeira cá em casa, mas a verdade é que os palatos se apuraram imenso :) Quem gosta de cozinhar está sempre sujeito ao escrutínio e é com ele que apuramos também o que vamos fazendo.
Para a próxima vou experimentar com doce de framboesa no meio mas mantenho a ganache. Já me tinha passado isso pela cabeça antes.
Beijinhos

CNS disse...

De forma alguma. E a ganache parece-me que faz a diferença ;)
Também ando para experimentar uma torta de chocolate e caramelo mas como sou um autentico desastre a enrolar tortas, tenho vindo a adiar... ;)

Leonor disse...

O problema é a enrolar esta foi que a forma talvez devesse ser maior para a torta ficar mais fina, mas só tenho mesmo esta cá em casa :)
Beijinhos

Manuela Teixeira disse...

Oi querida Leonor,

Adorei esta tentação de torta.
Passa pelo meu blogue que tenho um miminho para ti.

Bjnhos e uma semana "fabulástica".

http://saborescomtempo.blogspot.pt/

Maria disse...

Que rica torta! Desculpa mas não me ocorre outra expressão para descrever tal maravilha. Ganache, ganache, ganache, o meu voto está dado. Nem pensar em mais nada!
Quanto aos programas culinários é de facto uma praga que tornando-se, por vezes, cansativa, nos veio ajudar a sermos Master Chef da nossa cozinha.
Beijinho e bom Domingo
Maria

fantasma disse...

A ganache parece-me aí muito bem! E se juntares (não substituíres, atenção :P) doce de frutos silvestres, melhor ainda ;)
Só a parte do "pouco doce" é que me deixou na dúvida :)

Leonor disse...

Olá Manuela,

Com um enorme atraso responderei. Muito obrigada pelo carinho :)

Leonor disse...

Um dia ainda vou fazer tipo Sachertorte: dou-lhe uma barradela de compota de alperce e depois ganache :)
Eu gosto dos programas culinários, Maria, e se se levar na brincadeira (o objectivo também não é outro) corre tudo bem.

Beijinhos

Leonor disse...

É isso, fantasminha, juntar :)
A massa é que não é muito doce mas fica no ponto com a ganache.
Beijinhos