domingo, 3 de fevereiro de 2013

Pilaf de frango com açafrão


Um manto cinzento e denso, sem réstia de sol e as letras que tantas vezes vira na época da Guerra Fria, ainda na televisão a preto e branco a quem o sr. Machado mudava as válvulas de vez em quando, não me deixavam dúvidas: Moscovo.  Na televisão a preto e branco, Moscovo era sempre o lugar inatingível lá num mundo distante que divida o presente entre a terra prometida onde todos os homens tinham as mesmas oportunidades, protegidos por um estado social forte empenhado em munir os seus cidadãos com uma educação exigente e os que ruborizavam só de ouvir a palavra ‘comunismo’ soar e eclodiam em iras primárias contra o estado providência. Conheci ambas as espécies. Em casa dos meus pais sempre se foi de várias cores. Ali estava agora, na cidade outrora proibida de um país de onde vinham testemunhos que nunca coincidiam.
À chegada esperava-nos um serviço de táxi representado por uma muralha de frio: algures nos seus quarenta anos de olhos transparentes, não articulou palavra sem que lhe tivesse dirigida antes e respondeu sempre de forma lacónica. Incapaz de ceder passagem a alguém que poderia ser sua mãe e indiferente a malas e a quem as carregava, este ser gélido poderia ter funcionado como uma antecipação dos dias que se seguiram. Esta experiência foi exponenciada por um outro factor: os russos além de não rirem nem sorrirem, não falam línguas estrangeiras e quem se quiser aventurar por aquelas terras terá também de lidar com o insondável alfabeto cirílico. Muitas aventuras numa viagem só. O alfabeto cirícilo era útil para muitas coisas preciosas à sobrevivência em terras de czares e sovietes entre as quais comer. Perto do hotel havia dois restaurantes que haviam de fazer parte da nossa rotina. Incapazes de decifrar grandes tratados em cirílico, restou-nos confiar nos parcos conhecimentos de inglês das empregadas no restaurante uzbeque. Ao contrário dos outros russos – seriam uzbeques?- eram simpáticas e esforçavam-se para que nos entendêssemos. A morena ainda arranhava um inglês exíguo, a loura nem exíguo nem coisa nenhuma e foi pela mão dela que comemos uma das refeições mais reconfortantes lá no alto do mundo: pilaf.  

Pilaf de frango com açafrão

Ingredientes
Peito de frango (cerca de 500g)
1 iogurte grego (125g)
Sumo de 1 limão
1 colher de café mal cheia de canela moída
1 colher de chá de açafrão
Pimenta preta
Sal
Pimenta Cayenne
Bacon cortado em bocados pequenos
Arroz basmati
Caldo de carne
Cardamomo (3 sementes)
2 colheres de sopa de cajus (usei uma mistura de cajus e amendoins picantes)
2 colheres de sopa de pistáchios
Salsa picada
Azeite


Preparação
Cortar o frango em pedaços pequenos. Temperar com um pouco de sal e pimenta preta acabada de moer. Juntar a canela, o açafrão ( ½ colher de chá) e a pimenta Cayenne. Adicionar o sumo de limão e o iogurte grego. Marinar uma hora no frigorífico.
Aquecer uma noz pequena de margarina com um fio de azeite e fritar o arroz até ficar translúcido. Juntar o dobro da medida do arroz em caldo de carne. Adicionar as sementes de cardamomo esmagadas, sumo de meio limão e o açafrão (1/2  colher de chá). Escorrer o frango num passador para retirar o excesso do iogurte.
Aquecer uma frigideira antiaderente e fritar o bacon até ficar dourado e crocante. Se for necessário, acrescentar um fio de azeite. Retirar da frigideira e reservar.
Na mesma frigideira fritar o frango em pequenas porções para que ganhe cor. Aquecer uma frigideira e sem qualquer gordura torrar os cajus.
Mexer o arroz com um garfo e envolver o frango, o bacon, a salsa e, por fim, os cajus. Salpicar com os pistáchios e servir. 


Fiquei fã. Gostei da complementaridade de sabores e texturas: o calor da canela, a frescura do limão, o travo cítrico do cardamomo, a textura muito tenra do frango, o crocante dos pistáchios e cajus.


Inspirado nesta receita da Nigella.

14 comentários:

CNS disse...

Gosto muito de Pilaf, e muito também da Nigella. Mas ainda mais gostei desta sua memória.

nobady's listen disse...

gosto de tudo aqui ... de Pilaf, do blog e do que escreve .. venho sempre e volto todos os dias... inspirador

Leonor disse...

Foi a primeira receita que fiz da Nigella, Cristina, apareceu-me no Facebook.
A memória veio assim que li 'pilaf'. O que comemos era de borrego, nada a ver com este mas estava óptimo.
Beijinhos :)

Leonor disse...

Obrigada, nobody :) A minha postagem é um bocado irregular, nem sempre ando inspirada.
Beijinhos e muito obrigada pelas palavras.

São Ribeiro disse...

Adorei o pilaf com esses ingredientes deve ter um sabor divino.
Bjs

Leonor disse...

São sabores que se complementam, pelo menos para o meu palato, e que não são nada monótonos, São :)
Beijinhos

Maria disse...

Leonor, descreveste tão bem esse mistério, pelo menos para mim, que é Moscovo. E o mais fascinante é que o conseguiste em poucas palavras.
Quanto ao Pilaf, nunca comi e fiquei rendida. Adivinha o que irá ser o almoço cá em casa no Sábado ;)
Tudo magnífico, como sempre.
Beijinho
Maria

Blondewithaphd disse...

Ui, que deve ser tããão bom...

Leonor disse...

Obrigada, Maria. Em relação a Moscovo ontem vi um trailer de um filme que se passa la e lembrei-me que também o cinema contribuiu para parte desse mistáerio.
O Pilaf é delicioso. Vou fazer variações e depois conto como ficou.
Muitos beijinhos :)

Leonor disse...

É mesmo, Blonde :)
Beijinho

Filipa Lemos disse...

Tão bom aspecto!!

Tânia Constantino disse...

Que receita deliciosa!
Atribuí-te o Selo do Liebeter Award :D passa no meu blog:
http://1000sabores1000maneiras.blogspot.pt/2013/02/liebster-award.html
Beijinho

Leonor disse...

Sabe melhor, Filipa :) Obrigada pela visita.

Leonor disse...

Muito muito obrigada, Tânia, quanta honra e que surpresa tão boa :) Já lá vou espreitar.
Beijinhos