sábado, 15 de março de 2014

Da utilidade dos livros numas pernas de pato assadas com legumes

Tenho a mania dos livros e tenho a mania de os levar comigo para a cama. Não é a primeira vez que adormeço com um em cima dela e a minha mesa de cabeceira é uma zona alargada que se estende ao tapete do meu lado da cama. Ocasionalmente faço uma arrumação e devolvo os livros às estantes, contudo em momento algum tenho apenas um livro e leio apenas um livro. Esta mania que me acompanha desde sempre estende-se aos livros de cozinha neste momento. Se os livros forem novos ficarão algum tempo ao pé de mim até que decida que já me situo e que encontrarei facilmente o que procuro ou o que me chamou à atenção.
Quando nos resolvemos aventurar no peito de pato e depois de várias voltas chegámos à conclusão de que mais valia comprar um pato inteiro e tirar-lhe os peitos do que comprar os peitos do pato, de preço proibitivo. O que se faria com as restantes partes não seria problema. Arroz de pato seria o mais óbvio e imediato. Já o fiz dezenas de vezes, corre sempre bem mas lembrei-me de que exactamente as pernas de pato eram um dos prato que tinha no Irish Family Food da Rachel Allen. De alguma coisa há-de valer a pilha de livros no meu quarto e esta mania de não viver sem eles e lhes meter o nariz. Nunca li livro que me fizesse mal. A descoberta desta receita, tão simples afinal, está aí para o comprovar. A vida sem livros seria muito triste. Sem comida saborosa idem. 


Ingredientes
2 pernas de pato inteiras com a pele
2 asas
Batatas cortadas em cubos médios (4 ou 6 dependendo do tamanho)
Cebolas (2 grandes) cortadas em quartos
Cenouras cortadas em pedaços grandes
Alecrim (2 ramos)
Flor de sal 
Pimenta preta acabada de moer

Preparação
Pré-aquecer o forno a 200º.
Massajar o pato com um pouco de flor de sal. Descascar e cortar os legumes. Reservar. 
Colocar as asas e as pernas do pato com a pele virada para baixo numa caçarola larga. Como também tinha o pescoço, foi igualmente para a caçarola. Deixar que a gordura derreta. Virar do outro lado. Voltar a virar do lado da pele e aumentar o lume para a pele começar a tostar. Retirar o pato da caçarola e envolver os legumes na gordura do pato. Temperar com flor de sal e pimenta preta acabada de moer. Colocar os ramos de alecrim e o pato por cima. Salpicar com alecrim. Levar ao forno tapado com uma folha de alumínio cerca de uma hora. Findo esse tempo, retirar a folha de alumínio e deixar tostar. Servir bem quente, bem regado e em excelente companhia. 


Nota: a qualidade dos legumes é fundamental para o sucesso deste assado. Usei todos biológicos, comprados directamente ao produtor. Privilégios de morar na aldeia.

13 comentários:

Prazeres Saudáveis disse...

Obrigada pela visita ao meu blogue:)

Gosto muito de perú ainda hoje comprei e faço sempre com vários legumes no forno fica fantástico adoro.

O teu tem um aspeto delicioso:)

Beijinho grande

Leonor disse...

De nada :) Vou tentar participar no teu passatempo.
Beijinhos e obrigada.

Célio Cruz | Sweet Gula disse...

Concordo plenamente Leonor, a vida sem livro e sem comida deliciosa seria mesmo triste e aborrecida. Eu amo livros de culinária e este também se vão multiplicando cá por casa e revejo-me nessa história de levar os livros para a cama e amontoá-los na mesinha de cabeceira...lol
Essas perninhas de pato da Rachel ficaram um mimo. ;)
Beijinho.

Leonor disse...

Ainda bem que concordas, Célio :) mas às vezes é um vício danado, especialmente quando são baratos. Não é o caso cá em Portugal mas comprei há pouco o Jamie's Italy por 5£ :) Uma perdição. E deixei fugir um do Gordon Ramsay por 3.99£ de tanto hesitar.
Beijinho e obrigada pela visita.

Isabel Patrício disse...

Leonor,
li este texto e depois fui ler o dos queques (que me fez sorrir).
Na verdade a vida sem livros não seria simplesmente. Também gosto de folhear os livros, do cheiro, de o sentir... e tal como tu, vou amontoando ao lado da mesinha de cabeceira, no sofá, na cozinha... há sempre queixas cá em casa :)
Quanto ao pato, acredito que deve ser divinal, porque o alecrim acrescenta-lhe aromas inconfundíveis.
Bjns
Isabel

Isabel Patrício disse...

Leonor,
li este texto e depois fui ler o dos queques (que me fez sorrir).
Na verdade a vida sem livros não seria simplesmente. Também gosto de folhear os livros, do cheiro, de o sentir... e tal como tu, vou amontoando ao lado da mesinha de cabeceira, no sofá, na cozinha... há sempre queixas cá em casa :)
Quanto ao pato, acredito que deve ser divinal, porque o alecrim acrescenta-lhe aromas inconfundíveis.
Bjns
Isabel

Leonor disse...

É mesmo, Isabel, sem livros não seria mesmo igual. Felizmente estão sempre aí para nos acompanhar. Cá em casa ninguém se queixa porque nesse aspecto somos muito parecidos, embora a minha panca seja muito acentuada ;)
O que eu gosto no pato, e cada vez gosto mais de cozinhar assim, é ser tão simples afinal e, como dizes, o toque do alecrim.
Muito beijinhos e obrigada pela visita :)

Joana disse...

São tão bons os livros de culinária :)
É tão bom perdermo-nos no meio deles!
Levá-los para a cama, ou para qualquer lado, deliciarmo-nos com as fotos, folhear-mos as páginas, o cheiro das folhas novas e mais tarde o cheiro delas usadas :)
É tão bom!
Ficou lindo o teu pato com legumes :)
Cores vibrantes e lindas!
Um beijinho

Leonor disse...

Olá Joana,
Já estou a pensar nos próximos a comprar :) E os livros de culinária até parece que são mais perfumados do que os outros.
Obrigad :)
Beijinho

Blog do Chocolate disse...

Querida Leonor do meio do Atlântico ;)

"Os livros são os nossos melhores amigos", máxima que o Pai me ensinou e que perdura até hoje na minha mente !
Tal como tu tenho sempre um livro na mesa de cabeceira, mas comprei uma mesa de apoio para todos os outros que lá não cabem, mas que não prescindo de ter por perto ! :)
E os que dominam a àrea agora são também os de culinária ! :)
O peito do pato comprado avulso é escandalosamente caro, não há euros que cheguem para tal, por isso faço como tu, compro o pato inteiro e depois destino-o de várias formas ! :)
Gosto muito e muito da Rachel e gosto muito também das pernocas do teu pato que ficou coradinho de tanto eu lhe piscar o olhito ! :)

Uma beijoca, amiga ! :)

Leonor disse...

São mesmo, querida Isabel, de todos os lados do Atlântico :) É vício mesmo mas uma casa sem livros não me faz qualquer sentido.
É uma fortuna, Isabel, assim comprado inteiro dá para umas variações. Também gosto da Rachel e da Irlanda.
As pernocas ficam uma delícia. São mesmo boas para este tempo invernoso que voltou.
Beijinhos e bom fim-de-semana, amiga :)

Maria disse...

Querida, confesso que há algum tempo não te batia à porta por falta de tempo e também de alguma paciência para a cozinha e afins. Mas claro, hoje estou a recriminar-me vezes sem conta pelo que tenho perdido da tua casa. Mas olha, foi um serão agradável pois li vários seguidos e, como já te disse vezes sem conta, delicio-me. Nem precisei de ir à minha pilha de livros, hoje.
Um beijinho sincero
Maria

Leonor disse...

Olá minha querida Maria, este cantinho já tinha sentido a tua falta, mas compreendo que nem sempre temos tempo e disposição :) as portas estão sempre abertas e nunca é tarde de mais.
Muitos beijinhos :)