sábado, 24 de Novembro de 2012

Tarte de pêras ao sabor da intuição


Em tempos que já lá vão, habitavam a minha existência dois seres estranhos. Uma introdução assim poderia ser também uma introdução às nossas vidas: todos nós em tempos idos já tivemos na vida gente estranha que serve apenas o propósito de testar os nossos limites: da paciência, da tolerância, da condescendência e às vezes da nossa liberdade, e de nos permitir que nos conheçamos melhor e melhor também os nossos limites. E já que este é um blogue de culinária, cinjo-me às características que me surpreendiam apenas nesta área da vida. Qualquer receita que passasse pelas mãos daqueles dois e posteriormente pela cozinha tinham de incluir com exactidão enervante todos os ingredientes na medida irritantemente precisa. Para quem, como eu, cozinha muito por intuição aquela disciplina espartana não era nunca vista como evidência de um estádio superior de artes culinárias mas uma incapacidade debilitante de experimentar, ousar, transgredir e um espartilho que me estrafegava as vontades. Se na receita vinha uma folha de couve, uminha, uma apenas teria de povoar o repasto, mesmo que, pelo cheiro e intuição, duas ficassem melhor ou até que pudessem ser dispensadas caso não houvesse em casa ou substituídas por outro ingrediente qualquer. Metade intuição, um quarto de técnica e um quarto de disciplina, cozinhar é sempre mais do que respeitar com exactidão obsessiva o que nos mandam fazer, mesmo que algumas receitas exijam um cuidado extremo nas proporções dos ingredientes ou respeito absoluto pelos tempos de cozedura. Sem eles também não há nada.
Um destes dias quando abri o frigorífico lembrei-me delas. Arrumadas com critério numa caixa de papel que outrora albergou cerejas, as pêras quase me cutucaram quando me estiquei para chegar aos iogurtes. Mais uma semana e seria tarde de mais. Agarrei na intuição, esqueci receitas, espreitei o forno, cheirei os aromas que se casavam pela casa e fiz o que me passou pela cabeça naquele momento: uma tarte com sabor a Inverno, uma reminiscência dos mercados de Natal na Alemanha, quente e reconfortante, coroada com Streusel de avelã. Ora vejam:

Tarte de pêras com Streusel de avelã

Ingredientes
1 base de massa quebrada
Pêras rocha (umas quatro ou cinco, dependendo do tamanho)
1 colher de sopa de açúcar mascavado
1 colher de sopa de açúcar branco
2 colheres de chá de canela
1 colher de chá de pimenta da Jamaica
Moscatel

Streusel:
2 colheres de sopa de açúcar amarelo
2 colheres de sopa de farinha
2 colheres de sopa de miolo de avelã picado
2/3 colheres de sopa de margarina à temperatura ambiente

Preparação
Pré-aquecer o forno a 180º. Forrar uma tarteira de fundo amovível com a base de massa quebrada. Com um garfo picar o fundo da massa. Reservar. Preparar de seguida o Streusel: juntar os ingredientes sólidos numa taça. Adicionar a margarina cortada em pedaços pequenos e com a ponta dos dedos misturar com os restantes ingredientes. Deve ficar uma massa esfarelada igual à que se faz para o crumble. Reservar no frigorífico.
Cortar as peras em tiras finas. Cortei primeiro em quartos, depois em oitavos e ainda outra vez. Dispor as peras na tarteira e polvilhar com a mistura dos açúcares e das especiarias. Borrifar levemente com Moscatel. Repetir a operação até a tarteira ficar bem cheia de fruta. Levar ao forno com uma folha de alumínio por cima para cozer as peras. Quando estiverem cozidas, retirar a folha, deixar mais uns minutos no forno e, por fim, cobrir o Streusel. Deixar alourar. Et voilá. 


14 comentários:

CNS disse...

Uma tarte a pedir uma tarde de chuva :)

Bom fim de semana, Leonor.

Candy Love disse...

Humm que maravilha! :) Caía bem agora uma fatia :P
Bom fim de semana ;)

Maria disse...

No coments. Ja sabes o que me apetece dizer...
Esta tarte, vou copiar, certamente. Mais uma receita da tua coleccao.
Um beijo e bom fim de semana.
Maria

Ginja disse...

Que bela tarte, a combinar com o dia cinzento, que pede um doce e aconchego :)
Bom fim-de-semana Leonor.
Um beijinho.

Leonor disse...

Obrigada pela vossa visita :)
É verdade, esta tarte sabe mesmo a Inverno.
Uma sugestão: usei pêra porque era o que tinha cá em casa mas de certeza que fica bem com maçã.

Beijinhos a todas

Loca disse...

A intuição é aquilo que me agrada na cozinha.
Quase lhe senti o cheiro, a experimentar um dia destes, com certeza.

:))

Ricardo Tiago disse...

mas que aspeto lindo... adorei.
Beijinhos e bom domingo.

Leonor disse...

Funciono muito por intuição, Loca, não só na cozinha :)
Um destes dias li num dos livros do Gordon Ramsay que devíamos confiar na intuição e muito engraçado no cheiro. Fiquei descansada, é mesmo assim que funciono.
Beijinhos

Leonor disse...

Obrigada, Ricardo.
Boa semana :)

Petiscos e Miminhos disse...

Vim conhecer este cantinho e adorei...parabéns pelo blog e pelas receitas;)

LiBelinha disse...

Passei aqui por acaso e fui cuscando as tuas descrições e as tuas receitas.
Adorei o teu cantinho, a maneira como escreves dá-me a sensação que estou presente. Gostei imenso desta tarte de pêras e será uma das receitas a experimentar.
Voltarei sempre :)e convido-te a espreitar também a minha cozinha.
Bjns
http://emocaoascolheradas.blogspot.pt/

Leonor disse...

Olá às duas :)
Muito obrigada pela vossa visita. Vou retribuir.

Beijinhos

Cacahuete disse...

Uma tarte com tudo aquilo que eu gosto. Adorei o teu blog.

Beijinhos

Leonor disse...

Obrigada, Cacahuete :)

Beijinhos